O AVIVAMENTO ANIMA E REANIMA A IGREJA

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

O AVIVAMENTO ANIMA E REANIMA A IGREJA

Avivamento significa a ação ou efeito de dar vivacidade. Tornar mais vivo. Fazer reviver, renovar, renascer. Dar vida a toda realidade de morte. O avivamento causa um despertamento espiritual naqueles que estão na sonolência, negligentes nas práticas religiosas, mortos espiritualmente.

O avivamento causa um impacto moral e espiritual na vida da Igreja e é capaz de levantar os espiritualmente mortos, chamando – os a viverem uma fé viva em Cristo Jesus e renova a vida interior de cada cristão.

No Livro do Profeta Ezequiel 37, 7-14 nos mostra a mão do Senhor sobre o profeta, na qual foi arrebatado em espírito e colocado no meio de uma planície, que estava coberta de ossos. O Senhor o fez circular em todos os sentidos no meio desses ossos numerosos que jaziam na superfície, ou seja, estavam mortos, inteiramente secos. O Senhor todo poderoso disse ao profeta: “Filho do Homem, poderiam esses ossos retornar à vida?” Senhor Javé, respondeu o profeta: “Só vós o sabeis”.

Essa resposta nos faz concluir que o profeta tinha consciência de que ele não tinha poder algum para levantar mortos e trazê-los a vida e nós precisamos também entender que nada podemos fazer por nós mesmos. O avivamento é obra de Deus, é vontade de Deus pelo Seu Espírito por meio de sua Santa Palavra. Somente o Deus todo poderoso pode realizar um poderoso e genuíno avivamento na face da terra, a nós apenas cabe nos deixar conduzir por Deus, ter sede, amor, vontade de estar em Sua santa presença e o adorar, bem como pedir “Vem Espírito Santo”, pois somente Deus poderá mudar a situação difícil em que vivemos em nossos Estados e no Brasil.

Ezequiel profetizou conforme a ordem do Senhor (cf. Ez 37, 4-6) e os ossos se uniram, formaram sobre eles músculos, nascia neles carnes e uma pele os recobria. Profetizou ao espírito e, por conseguinte, o espírito os penetrou, dando-lhes vida ao ponto de se levantarem sobre seus pés um grande e um imenso exército do Senhor.

Depois o Senhor disse ao profeta: “Filho do homem, esses ossos são toda a raça dos israelitas. Eles dizem: nossos ossos estão secos, nossa esperança está morta; estamos perdidos! Por isso, dirige – lhes o seguinte oráculo: eis o que diz o Senhor Javé: ó meu povo, vou abrir os vossos túmulos; eu vos farei sair deles para vos transportar à terra de Israel. Sabereis, então, que eu é que o Senhor, ó meu povo, quando eu abrir os vossos túmulos e vos fizer sair deles, quando eu colocar em vós o meu espírito para vos fazer voltar à vida e quando vos hei de restabelecer em vossa terra. Sabereis então que sou eu o Senhor, que o disse e o executei – oráculo do Senhor” (Ez 37, 11-14).

Estaríamos enganados em dizer que essa realizada narrada em Ezequiel não é a realidade atual? Poderíamos afirmar que assim como a raça de Israel estava como um vale de ossos secos, não estaríamos também vivendo em um vale de ossos secos? Que se levante os profetas e profetizas dos tempos de hoje para que Deus possa dizer: “Profetiza Filho do Homem, profetiza”!

Precisamos clamar por um poderoso e genuíno avivamento justamente pelo fato de toda a raça de Israel, que somos nós, os Católicos, vive em um vale de ossos secos, não tem mais ânimo, entusiasmo, alegria, ardor missionários, ruptura com o pecado, não há um povo de fé, de esperança, não há arrependimento e conversão sincera, não há pessoas que se humilham em oração diante de Deus, não há quem chore pelos seus pecados e pelos pecados dos outros, bem como não há busca da santidade e vivência da radicalidade do Evangelho.

Por isso, devemos clamar como o profeta Habacuc 3, 2: “Aviva, ó Senhor, a tua obra”. Só Deus pode trazer um poderoso e genuíno avivamento para nossa Igreja e a nossa cidade e nação. Só Deus pode impactar uma Igreja e enchê-la de dons, de bênçãos e de graças. Mas para isso precisamos tomar uma decisão: ser totalmente de Deus, pois Ele precisa encontrar espaço no coração do homem. Deus precisa ser o centro de nossas vidas, de nossa comunidade e de nossas paróquias, pastorais, grupos e movimentos. Deus quer encontrar homens e mulheres que fazem como nos diz a Sagrada Escritura em 2Cr 7, 14 diz: “se meu povo, sobre o qual foi invocado o meu nome, se humilhar. Se procurar a minha face para orar, se renunciar ao seu mau procedimento, ESCUTAREI do alto céu e sanarei sua terra”.

Quando uma Comunidade irrompe em um avivamento, aquela Comunidade atrai os pecadores para Jesus, as pessoas começam a dar testemunhos para seus pais, cônjuges, filhos, amigos de escola e trabalho. Surgirá no interior desta comunidade conversões sinceras, desejo de santidade, fome e sede das Escrituras, busca pela vivência da vocação, ardor missionário, na qual as pessoas sairão em todos os lados anunciando nas Igrejas e nas casas, tal como fazia a Igreja primitiva, a saber: “E todos os dias não cessavam de ensinar e de pregar o Evangelho de Jesus Cristo no templo e pelas casas” (At 5, 42).

Dessa forma, Deus torna novas as coisas velhas gerando um novo poder na pregação do Evangelho e um novo despertamento espiritual e moral na Igreja, que se coloca imediatamente em saída, a fim de que promover a transformação da sociedade em todos os seus aspectos: econômico, político e social.

Mais Artigos

FORMAÇÃO

Menos olho na tela, mais olho no olho

Se você deseja ser feliz e viver em harmonia consigo mesmo, com os outros e, principalmente, com Deus, é preciso ter a coragem de fazer