Papa: apostar na formação das meninas para um mundo mais inclusivo

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

“O nosso mundo precisa da parceria das mulheres, de sua liderança e de suas capacidades, assim como de sua intuição e dedicação.” Este é um trecho da mensagem do Papa Francisco endereçada a Chiara Corazza, representante especial para o G7 e o G20 do Fórum das Mulheres.

Enviada através do secretário de Estado, card. Pietro Parolin, o Pontífice afirma que hoje há necessidade de retomada depois da dramática experiência da Covid-19, que abalou a humanidade e deixou consequências desastrosas. E é necessário que desta retomada participem as mulheres, ou melhor, sejam protagonistas, já que foram as que mais sentiram as consequências da pandemia.

A contribuição das mulheres para um mundo mais inclusivo

O secretário de Estado faz uma menção ao que escreveu São João Paulo II em 1995: “A mulher participará sempre mais da solução dos graves problemas do futuro […] e obrigará a redesenhar os sistemas de modo a favorecer os processos de humanização que marcam a civilização do amor'”. E Francisco insiste com frequência na “contribuição insubstituível das mulheres para a construção de um mundo que possa ser casa para todos”, reconhecendo sua capacidade de promover aquele sentido de “altruísmo”, necessário “nos esforços para o cuidado da nossa casa comum e na luta contra as lógicas desagregantes ” do lucro imediato.

Apostar na formação das meninas

A solidariedade e a reciprocidade entre mulheres e homens é “vital para a sociedade”, afirma ainda o cardeal Parolin, “com suas respectivas especificidades, todos são chamados a abraçar sua vocação comum a ser construtores ativos da sociedade”. Isso requer uma mudança de paradigma da vida social, “guiado por um renovado sentido de humanidade e pela profunda dignidade que caracteriza  toda pessoa humana”.

A videomensagem se conclui com um forte encorajamento, dirigido também em nome do Papa, a uma adequada formação das meninas e jovens em todos os países. Que cada uma delas, afirma, “possa ter acesso a uma instrução de qualidade”, de modo que possa desenvolver “o próprio potencial e os próprios talentos”, e fazer a sua parte para o progresso “de sociedade coesas”.

Vatican News

Mais Artigos