Papa: Mártires coptas, Santos de todos os cristãos, confessaram Jesus até à morte

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

Santos de todos os cristãos, que na sua fé simples, mas coerente, “receberam o maior dom que um cristão pode receber: o testemunho de Jesus Cristo a ponto de dar a vida.”

Este dia 15 de fevereiro marca os seis anos do martírio dos 21 cristãos – 20 copta-ortodoxos egípcios e um ganense – em uma praia na Líbia, assassinados por terroristas do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh, acrônimo em árabe). Eles foram martirizados no início de janeiro de 2015, mas o vídeo com sua decapitação foi divulgado cerca de um mês mais tarde, em 15 de fevereiro, data em que foram inseridos no Synaxarium, o livro dos mártires da Igreja Copta.

Além das celebrações no Egito, um evento on-line reunindo entre outros o Patriarca copta-ortodoxo Tawadros II e o Primaz da Comunhão Anglicana, Justin Welby, recordou nesta segunda-feira, 15, seu testemunho.

Em uma mensagem em vídeo, o Papa Francisco uniu-se a todos aqueles que participaram do encontro on-line e a todo o “santo povo fiel de Deus” que, na sua simplicidade, “com a sua coerência e as incoerências, com as graças e os pecados, levam em frente a confissão de Jesus Cristo: Jesus Cristo é o Senhor.” Não faltou um agradecimento aos formadores e às mães dos mártires que nutriram sua fé:

 É o dia de hoje que tenho no meu coração, aquele fevereiro de 2015. Tenho no meu coração aquele batismo de sangue, esses vinte e um homens batizados cristãos com a água e o Espírito, e naquele dia batizados também com o sangue. São os nossos Santos, Santos de todos os cristãos, Santos de todas as confissões e tradições cristãs. Eles são aqueles que lavaram suas vidas no sangue do Cordeiro, são aqueles … do povo de Deus, do povo fiel de Deus.

O Santo Padre recordou que eles foram ao exterior pata trabalhar e assim assegurar o sustento de suas famílias. Eram “homens normais, pais de família, homens com a ilusão [o desejo] de ter filhos; homens com a dignidade de trabalhadores, que não somente buscam ter pão para sua casa, mas de levá-lo para casa com a dignidade de trabalho. E esses homens  – enfatizou Francisco – deram testemunho de Jesus Cristo. Degolados pela brutalidade do Isis, morreram dizendo: “Senhor Jesus!”, confessando o nome de Jesus.

“É verdade que existe uma tragédia, que essas pessoas deixaram suas vidas na praia; mas também é verdade que a praia foi abençoada pelo seu sangue. Mas é mais verdade ainda que da sua simplicidade, da sua fé simples, mas coerente, receberam o maior dom que um cristão pode receber: o testemunho de Jesus Cristo a ponto de dar a vida.”

O Papa então agradeceu a Deus nosso Pai porque nos deu esses irmãos corajosos. Agradeceu ao Espírito Santo por lhes dar a força e a coerência de chegar à confissão de Jesus Cristo até o sangue. Agradeceu aos bispos, aos padres da Igreja-irmã Copta, que os criou, os ensinou a crescer na fé. E também agradeceu às mães que “aleitaram” a fé desses vinte e um homens: “são as mães do povo santo de Deus que transmitem a fé “em dialeto”, um dialeto que vai além das línguas, o dialeto das pertenças”.

A este ponto, uma expressão de fraternidade onde, unindo-se aos irmãos bispos, que estavam nesta comemoração, “ao grande, amado Tawadros, irmão e amigo bispo”, a Justin Welby, “que também quis participar deste encontro”, a todos os outros bispos e padres, o Papa agradeceu, também unindo-se ao santo povo fiel de Deus, “que na sua simplicidade, com a sua coerência e as incoerências, com as graças e os pecados, leva em frente a confissão de Jesus Cristo: Jesus Cristo é o Senhor.”

Agradeço a vocês, vinte e um Santos, Santos Cristãos de todas as confissões, pelo seu testemunho. E eu Te agradeço, Senhor Jesus Cristo, por estar tão perto de teu povo, de não esquecê-lo. Rezemos juntos, hoje, nesta memória destes vinte e um mártires coptas: que eles intercedam por todos nós perante o Pai.

Vatican News

Mais Artigos