Papa em mensagem ao Ano Compostelano: sair de si mesmo para se abrir ao outro

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

Começou no final de 2020, em 31 de dezembro, o Ano Compostelano, um jubileu que se realiza no ano em que o 25 de julho, em memória a São Tiago, cai em um domingo. Assim, de fato, é o caso de 2021, como foi em 2010 e será em 2027. Segundo o arcebispo de Santiago de Compostela, dom Julián Barrio Barrio, “um ano de graça e de perdão” a todos aqueles que desejam participar. Neste terceiro Ano Santo Compostelano do terceiro milênio do cristianismo, continua o arcebispo, “o testemunho corajoso de São Tiago Apóstolo é uma oportunidade para redescobrir a vitalidade da fé e da missão, recebida no Batismo”.

A mensagem do Papa na abertura da Porta Santa

Por ocasião da abertura da Porta Santa, dom Julián recebeu uma mensagem do Papa Francisco, ao expressar carinho e proximidade “a todos aqueles que participam deste momento de graça para toda a Igreja e, em particular, para a Igreja na Espanha e na Europa”. Seguindo os passos do Apóstolo, escreve o Pontífice, “deixamos o nosso eu, aquelas certezas às quais nos agarramos, mas com um objetivo claro em mente, não somos seres errantes, sempre girando em torno de nós mesmos sem chegar a lugar algum. É a voz do Senhor que nos chama e, como peregrinos, nós a acolhemos em atitude de escuta e de busca, empreendendo esta viagem para encontrar Deus, os outros e nós mesmos”.

A misericórdia de Deus acompanha o nosso caminho

O objetivo, enfatiza o Papa, é tão importante quanto o caminho rumo a ele, que é um caminho de conversão seguindo Jesus, o Caminho, a Verdade e a Vida. Citando a Carta Apostólica “Misericordia et Misera”, de 20 de novembro de 2016, o texto continua com uma mensagem que reafirma: “neste caminho, a misericórdia de Deus nos acompanha e, mesmo que a condição de fraqueza devida ao pecado permaneça, ela é superada pelo amor que nos permite olhar para o futuro com esperança e estar prontos para colocar a nossa vida de volta ao caminho certo”.

Um caminho com leveza e em companhia

Para se colocar em caminho, devemos primeiramente nos desligar das coisas que nos pesam. Depois, na vida, não caminhamos sozinhos e confiar nos nossos companheiros sem suspeitas e desconfianças “nos ajuda a reconhecer no próximo um dom que Deus nos dá para nos acompanhar nesta jornada”. É uma questão de “sair de si mesmo para se unir aos outros”, de esperar e se apoiar uns aos outros, compartilhando trabalhos e realizações.

No final da viagem, escreve o Papa, nos encontraremos com uma mochila vazia, mas com “um coração cheio de experiências forjadas em contraste e em harmonia com a vida de nossos outros irmãos e irmãs que vêm de diferentes contextos existenciais e culturais”. E, redescobrindo o nosso dever, ser discípulo missionário “para chamar todos para aquela pátria para a qual estamos nos movendo”.

O peregrino comunica a fé com a sua vida

Francisco descreve o peregrino como aquele que é capaz de se colocar nas mãos de Deus, consciente de que a pátria prometida já está presente em Cristo que está perto dele e, assim, “toca o coração do seu irmão, sem artifícios, sem propaganda, na mão estendida, pronta a dar e a receber”. Os três gestos que os peregrinos fazem ao chegar à Porta Santa lembram o motivo da viagem, escreve ainda o Papa: o primeiro “é contemplar no Pórtico da Glória o olhar sereno de Jesus, o juiz misericordioso”, que nos acolhe na sua casa. O segundo é o abraço que nos vem da imagem de São Tiago Apóstolo que nos mostra o caminho da fé. A participação na celebração eucarística, o terceiro gesto, nos convida a “sentir que somos o povo de Deus”, chamado “a compartilhar a alegria do Evangelho”.

Vatican News

Mais Artigos