Não deixar os idosos sozinhos. As palavras de Francisco ao pároco de Corviale

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

“Quando o Papa veio em visita pastoral à nossa paróquia, eu lhe disse que fazíamos transmissões via streaming para estar perto de todos e lhe pedi uma bênção. Mas não esperava um telefonema dele na última transmissão, antes das férias de verão, como aconteceu ontem à noite!”

Ainda não acredita no que aconteceu, o pe. Roberto Cassano, pároco de São Paulo da Cruz, paróquia situada no centro de Corviale, em Roma. Um bairro difícil, marcado pelo conhecido “Serpentone”, uma aglomeração de edifícios cinzentos e arruinados, onde convive uma humanidade variada, composta por idosos sozinhos, migrantes, famílias com problemas sociais, e uma parte de apartamentos ocupados ilegalmente por aqueles que não têm uma casa. Na tarde desta quarta-feira (01/07), a carícia do Papa Francisco chegou a eles através de um telefonema ao pároco.

Um pai que não esqueceu os seus filhos

“Devíamos ir ao ar com o episódio final de uma transmissão que, junto com outros dois sacerdotes da nossa paróquia, intitulamos “Cuidado com aqueles três”, mas não funcionava nada. A transmissão ao vivo não iniciava. Parecia que estava tudo bloqueado. A um certo ponto, o meu telefone tocou e eu respondi. Reconheci imediatamente a voz do Papa!” Naquele momento, pe. Roberto tentou fazer com que todos os paroquianos conectados ouvissem o telefonema. “Foi emocionante para todos nós saber que o Santo Padre ainda se lembra da visita que nos fez, que reza por nós, que não se esqueceu de Emanuele, aquele menino que tinha perdido o pai recentemente, e que entre lágrimas lhe perguntou se seu pai estava no céu, mesmo não tendo o dom da fé, e que ele o abraçou e consolou. Por isso, não é visto como uma pessoa distante, mas como um pai que realmente veio para estar perto das pessoas em dificuldade”, disse pe. Roberto.

O compromisso de rezar pelo Papa

O Papa pediu no telefonema para não deixar sozinhos especialmente os mais vulneráveis como os idosos. “A nossa é uma realidade muito particular, com muitos problemas”, explicou pe. Roberto. “Nós, como paróquia, procuramos estar o mais próximo possível dos idosos sozinhos. Durante o isolamento, muitas vezes telefonamos para eles, para entender como estavam e se precisavam de alguma coisa. Procuramos nunca deixar faltar o Sacramento da Eucaristia para aqueles que nos pediam. Através das redes sociais transmitimos a missa e com as nossas transmissões tentamos fazer companhia às pessoas”, frisou. Uma coisa que marcou muito pe. Roberto neste telefonema foi o pedido do Papa para rezar por ele. “Ele nos pediu várias vezes. Por isso decidimos, junto com os outros sacerdotes, convidar todos os nossos paroquianos a se comprometerem todos os dias de fazer uma oração ao Senhor pelo nosso amado Papa, para que ele o sustente em suas dificuldades e o proteja”, concluiu.

Vatican News

Mais Artigos

FORMAÇÃO

Menos olho na tela, mais olho no olho

Se você deseja ser feliz e viver em harmonia consigo mesmo, com os outros e, principalmente, com Deus, é preciso ter a coragem de fazer