O desenvolvimento da doutrina é a fidelidade na novidade

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

Certas críticas de caráter doutrinal ao pontificado atual estão mostrando um distanciamento gradual, mas cada vez mais claro, do Concílio Vaticano II. Não a partir de uma certa interpretação de alguns textos, mas a partir dos próprios textos conciliares. Há leituras que insistem em colocar o Papa Francisco contra os seus predecessores imediatos acabando assim por criticar abertamente São João Paulo II e Bento XVI ou, de alguma forma, silenciam alguns aspectos fundamentais do seu ministério que representam evidentes desenvolvimentos do último Concílio.

A profecia do diálogo

Um exemplo disso foi recentemente o 25º aniversário da Encíclica Ut Unum sint, na qual o Papa Wojtyla afirma que o compromisso ecumênico e o diálogo com os não-católicos são uma prioridade da Igreja. O aniversário foi ignorado por aqueles que hoje propõem uma interpretação redutora da Tradição, fechada a esse “diálogo de amor”, além do doutrinário, promovido pelo Papa polonês em obediência ao ardente desejo de unidade de Nosso Senhor.

A profecia do perdão

Do mesmo modo foi esquecido outro aniversário importante: o pedido de perdão jubilar fortemente desejado por São João Paulo II em 12 de março de vinte anos atrás. O poder profético de um Pontífice que pede perdão pelos pecados cometidos pelos filhos da Igreja é algo decisivo. E quando se trata de “filhos”, inclui os papas. Sabe-se: aqueles que pedem perdão por erros cometidos se colocam em uma situação de risco de revisão. Wojtyla escolheu profeticamente o caminho da verdade. A Igreja não pode e não deve ter medo da verdade. O então Cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, sublinhou a “novidade deste gesto”, um “ato público de arrependimento da Igreja pelos pecados do passado e do presente”: um mea culpa do Papa em nome da Igreja”, um verdadeiro “gesto novo, mas ainda assim em profunda continuidade com a história da Igreja, com a sua autoconsciência”.

Inquisição e violência: uma consciência que cresce

Muitas lendas obscuras foram fomentadas sobre a Inquisição, as fogueiras e várias intolerâncias da Igreja ao longo da história, exagerando, falsificando, caluniando e descontextualizando para apagar da memória a grande e decisiva contribuição do cristianismo para a humanidade. E os historiadores muitas vezes trouxeram de volta à verdade muitas distorções e mitologias da realidade. Mas isso não nos impede de fazer um sério exame de consciência para “reconhecer” – afirma João Paulo II – “os desvios do passado” e “despertar as nossas consciências diante dos compromissos do presente”. A partir disso chegou o pedido de perdão no ano 2000 “pelas divisões que ocorreram entre os cristãos, pelo uso da violência que alguns deles aplicaram a serviço da verdade, e pelas atitudes de desconfiança e hostilidade por vezes assumidas em relação aos seguidores de outras religiões”. “Com o avanço dos tempos – disse em 2004 – a Igreja, guiada pelo Espírito Santo, percebe com uma consciência cada vez mais viva quais são as exigências de sua conformidade” ao Evangelho, que rejeita os métodos intolerantes e violentos que desfiguraram seu rosto na história.

O caso Galileu

Um caso particularmente significativo foi o de Galileu Galilei, o grande cientista italiano, católico, que – disse João Paulo II – “sofreu muito, não podemos escondê-lo, por causa dos homens e organizações da Igreja”. O Papa Wojtyla examina a história “à luz do contexto histórico da época” e “da mentalidade da época”. A Igreja, ainda que fundada por Cristo, “permanece constituída por homens e mulheres limitados, ligados à sua época cultural”. Ela também “aprende com a experiência” e a história de Galileu “permitiu uma maturação e compreensão mais justa de sua autoridade”. A compreensão da verdade cresce: ela não é dada de uma vez por todas.

Uma revolução copernicana

Wojtyla lembra que “a representação geocêntrica do mundo era comumente aceita na cultura da época de acordo com o ensino da Bíblia, na qual algumas expressões, tomadas literalmente, pareciam constituir declarações de geocentrismo”. O problema colocado pelos teólogos da época era, portanto, o da compatibilidade entre o heliocentrismo e Escritura. Assim, a nova ciência, com seus métodos e a liberdade de pesquisa que supõem, obrigou os teólogos a questionar seus critérios de interpretação da Escritura. A maioria não conseguiu fazer isso. Paradoxalmente, Galileu, um crente sincero, mostrou-se sobre este ponto “mais perspicaz que seus adversários teólogos” que haviam caído em erro ao tentar defender a fé. “A inversão causada pelo sistema Copérnico” gerou assim “repercussões na interpretação da Bíblia”: Galileu, não um teólogo, mas um cientista católico, “introduziu o princípio de uma interpretação dos livros sagrados, além do sentido literal, mas sempre de acordo com a intenção e o tipo de exposição própria de cada um dos textos”, segundo os gêneros literários. Uma posição confirmada por Pio XII em 1943 com a Encíclica “Divino afflante Spiritu”.

A teoria da evolução

Crescimento semelhante na consciência da Igreja ocorreu com a teoria da evolução que parecia estar em contradição com o princípio da criação. Uma primeira abertura foi a de Pio XII com a Encíclica “Humani generis” de 1950, que no próximo dia 12 de agosto, completará 70 anos. João Paulo II afirma que “a criação é colocada à luz da evolução como um evento que se estende no tempo – como uma ‘creatio continua’ – no qual Deus se torna visível aos olhos do crente como o Criador do céu e da terra”. Papa Francisco ressalta que “quando lemos no Gênesis a narração da Criação corremos o risco de imaginar que Deus foi um mago, com uma varinha mágica capaz de fazer tudo”. Mas não é assim! Ele criou os seres e deixou que se desenvolvessem de acordo com as leis internas que Ele mesmo inscreveu a cada um, para que se progredissem, e chegassem à própria plenitude (…) O Big Bang, que hoje se põe na origem do mundo, não contradiz a intervenção criadora divina, mas exige-a. A evolução na natureza não se opõe à noção de Criação, porque a evolução pressupõe a criação dos seres que evoluem.

O desenvolvimento do conceito de liberdade

No Novo Testamento, mas não apenas alí, há chamadas muito profundas à liberdade que mudaram a história: mas são descobertas pouco a pouco. O Papa Bonifácio VIII, com a Bula “Unam sanctam” de 1302, reafirmou a superioridade da autoridade espiritual sobre a autoridade temporal. Era uma outra época. Quase 700 anos depois, João Paulo II, falando em Estrasburgo ao Parlamento Europeu, observou que o cristianismo medieval ainda não fazia distinção “entre a esfera da fé e a da vida civil”. A consequência desta visão foi a “tentação integralista de excluir da comunidade temporal aqueles que não professaram a verdadeira fé”. Ainda em 1791, em carta aos bispos franceses, Pio VI criticou a Constituição aprovada pela Assembléia Nacional que “estabelece como princípio de direito natural que o homem que vive em Sociedade deve ser totalmente livre, ou seja, que em matéria de Religião não deve ser perturbado por ninguém, e pode livremente pensar como quiser, e escrever e até mesmo publicar na imprensa qualquer coisa em matéria de Religião”. E em 1832, a Encíclica Mirari vos de Gregório XVI fala da liberdade de consciência como “erro mais venenoso” e “delírio”, enquanto Pio IX, no Syllabus de 1864, condena entre “os principais erros da nossa época”, o fato de que não seja mais convencionado “que a religião católica deva ser considerada a única religião do Estado”, excluindo todos os outros cultos” e também o fato de que “em alguns países católicos foi estabelecido por lei que aqueles que aderem à outras religiões têm direito a ter culto público”. O Concílio Vaticano II, com as Declarações “Dignitatis humanae” sobre a liberdade religiosa e “Nostra aetate” sobre o diálogo com as religiões não-cristãs faz um grande passo adiante que recorda o Concílio de Jerusalém da primeira comunidade cristã que abre a Igreja a toda a humanidade. Diante desses desafios, João Paulo II afirma que “o pastor deve se mostrar pronto para ser verdadeiramente audacioso”.

Deter-se, mas em que ano?

Em 1988 ocorreu o cisma dos tradicionalistas lefebvrianos. Não aceitaram os desenvolvimentos trazidos pelo Concílio Vaticano II: segundo eles tinha sido criada uma nova Igreja. Bento XVI usa uma imagem forte quando os exorta a não “congelar a autoridade magisterial da Igreja do ano de 1962”. Já havia acontecido em 1870: os “velhos católicos” condenaram o Concílio Vaticano I pelo dogma da infalibilidade pontifícia. A Igreja Católica percorreu a história através de mais de 20 Concílios: todas as vezes alguém não aceita os novos desenvolvimentos e detêm-se ali. Em 1854 Pio IX proclamou o dogma da Imaculada Conceição. Mas um grande santo, Bernardo de Claraval, embora um dos mais ardentes propagadores da devoção mariana, expressou por muitos séculos sua oposição a esta verdade: “Estou muito preocupado, pois muitos de vocês decidiram mudar as condições de acontecimentos importantes, como a introdução desta festa desconhecida para a Igreja, certamente não aprovada pela Razão, e nem mesmo justificada pela Tradição antiga. Somos realmente mais eruditos e piedosos que os nossos antigos pais?”. Era o século XII. A Igreja, desde então, introduziu outras festas desconhecidas que provavelmente teriam escandalizado muitos fiéis que viveram em séculos anteriores.

O caminho de Jesus: coisas novas e coisas antigas

Jesus disse que não veio para abolir a Lei, “mas para dar pleno cumprimento” (Mt 5,17). Ele ensinou a não transgredir nem mesmo “um destes preceitos, mesmo o menor” (Mt 5,19). Ainda assim, foi acusado de violar as regras de Moisés, como o descanso do sábado ou a proibição de frequentar os pecadores públicos. E os apóstolos deram um grande passo avante: aboliram a obrigação sagrada da circuncisão, que remontava a Abraão, em vigor há 2000 anos, e abriram-se aos pagãos, algo impensável na época. “Eis que”, diz o Senhor, “faço novas todas as coisas” (Ap 21,5). É o “vinho novo” do amor evangélico que sofre o risco de ser colocado nos “odres velhos” da nossa segurança religiosa, que tantas vezes silencia o Deus vivo que nunca deixa de nos falar. É a sabedoria do “discípulo do Reino dos Céus” que busca a plenitude da Lei, justiça que supera a dos escribas e fariseus, extraindo “coisas novas e coisas velhas do seu tesouro” (Mt 13,52). Não só coisas novas, não só coisas antigas.

Vatican News

Mais Artigos

FORMAÇÃO

Amar a Deus é uma forma de oração?

Embora o amor a Deus, apropriadamente chamado de Caridade, seja o maior de todos os dons (1Cor 12,31) e a maior das virtudes teologais, a única