Jesus tem um jeito próprio de ensinar

“E ensinava-lhes muitas coisas em parábolas.” Essa é uma constatação apontada no Evangelho de São Marcos (Mc 4,26-34), que revela o jeito próprio de Jesus ensinar. Como um verdadeiro Mestre, essa era Sua pedagogia. Utilizava-se de elementos do cotidiano do Seu povo para expressar realidades mais profundas.

Inúmeras são as histórias e comparações feitas por Ele que podemos lembrar: filho pródigo, lírios do campo, ovelha perdida, bom samaritano, fermento na massa, as dez virgens entre outros. Além de trazer traços históricos da sociedade daquele primeiro século, uma parábola é um recurso eficaz de aprendizado, pois é capaz de atingir os sentimentos, o raciocínio, os cinco sentidos e a alma de quem ouve.

O modo de ensinar de Jesus

Na cultura daquele tempo, a oralidade era o instrumento mais usado para a transmissão do conhecimento. Por meio dela, fixavam-se os conteúdos a partir de imagens, símbolos e situações do dia a dia. O que Cristo fazia não era apenas uma simples narração de “historinhas”, mas revelava Seu modo de ir ao encontro daquelas pessoas, de fazer-se um com elas e dizer da importância da vida de cada uma. Ou seja, as experiências diárias seriam lugar de encontro com Deus e com as realidade espirituais.

Como no Evangelho, ao ouvir que “o Reino de Deus é como um grão de mostarda”, seria muito mais fácil, por exemplo, para uma pessoa que tivesse contato com a semente, como um semeador ou alguém que visse essa árvore, lembrar das palavras de Jesus e fazer essa ligação entre o cotidiano e as verdades reveladas pelo Mestre.

Para nós, na atualidade, esse também é um importante aprendizado. Nossa vida diária, cultura, costumes, culinárias, situações, angústias e preocupações são a matéria-prima para Deus falar e agir em nós. Como o grão de mostarda, nossa vida pode ser a mais simples ou com diversos desafios, mas se permitirmos que o grande Semeador, Cristo Jesus, cultive em nós a fé e a Sua vontade, os frutos serão abundantes. Temos potencial para isso! Como a árvore de mostarda, nossa vida poderá crescer muito nas graças, até o ponto de servir de abrigo, consolo e alimento para o outro.

 

Radio Vaticano