Nossa Senhora, mulher conduzida ao impossível

Compartilhe essa Pagina

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Share on whatsapp

Meditando sobre os mistérios do rosário, percebi como a vida de Nossa Senhora foi uma entrega ininterrupta. Quando abordada pelo anjo, prontamente disse sim; imediatamente após, por amor a Deus, foi servir à sua prima velha e grávida; depois, entregou todas as suas posses e família quando teve de fugir para o Egito. Nascendo o Menino, foi ao templo entregá-Lo, e assim aconteceu por toda a sua vida.

Nossa Senhora entendeu corretamente que o sim que damos a Deus se renova em todos os momentos da nossa vida. Foi um eterno “Faça-se em mim segundo a tua palavra”, que, na verdade, mais que a palavra do anjo, era a Palavra de Deus, a vontade d’Ele. Fico pensando como essas palavras se parecem com as de Jesus: “Seja feita a vossa vontade!”. Também com Maria, Jesus aprendeu a Se entregar, e a oração que ensinou aos Seus discípulos, em boa parte, aprendeu-a dos lábios de Sua mãe. Maria quer nos ensinar que a sua força veio do amor, de seu grande amor pelo Senhor.

Convide Nossa Senhora

Convide Nossa Senhora a tomar parte em sua oração, para que ela ensine você a rezar; convide-a a participar de tudo o que for fazer, e ela estará com você em seus empreendimentos e o afastará de tudo o que for mau e arriscado para a sua salvação.

Se a tentação o assola, se a tristeza o oprime, invoque Maria! Se o medo de ser condenado ao inferno o desespera, olhe para ela, pois ela não o abandonou. Pense em Nossa Senhora, chame pelo seu nome. Que ela não se afaste de seus lábios, não se afaste de seus pensamentos e não se afaste de seu coração. Maria tudo pode quando intercede por nós junto de Deus. Não há caso de alguém que, tendo recorrido a Nossa Senhora, fosse por ela desamparado.

São Luís Maria G. de Monfort dizia que as graças que, ao receber de Deus, depositamos em Maria não se perdem, pois ela não o permite; também diz que o Inimigo está atento, à espera de poder roubar essas graças ou mesmo de esvaziá-las. Desde que soube isso, tenho guardado em Maria os meus tesouros, tenho colocado à sua disposição os meus esforços para que ela disponha deles como quiser. Confio nela! Sei que qualquer coisa que ela fizer com os poucos méritos que eu venha a ter será sempre muito melhor do que qualquer coisa que eu faria.

“Se o meu redentor, por causa de meus pecados, me atirasse longe de Si, lançar-me-ia aos pés de Sua Mãe e, prostrado, não me levantaria enquanto ela não me obtivesse o perdão. Ela não deixaria de fazer violência ao Coração de Jesus para que me perdoasse” (São Boaventura). Com esses fervorosos santos que descobriram o grande tesouro que é Nossa Senhora, rezemos:

Lembrai-vos, ó piedosíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que recorrem à vossa proteção, imploram vossa assistência, reclamam vosso socorro, fosse por vós desamparado. Animado, eu, com igual confiança, a vós, Virgem entre todas singular, como Mãe recorro; de vós me valho e, gemendo sob o peso dos meus pecados, me prostro aos vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas, ó mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que vos rogo. Amém.

(São Bernardo)

Texto extraído do livro “Quando só Deus é a resposta”.

Mais Artigos